12 Tendências de Copywriting para 2022

Tendências de Copywriting para 2022

Introdução

Antecipar tendências é sempre um exercício com algum risco, dada a velocidade com que os contextos mudam atualmente.

Felizmente, as tendências não são só determinadas por algoritmos, havendo critérios mais “humanizados” como a economia, as questões sociais emergentes, a atualidade e, obviamente, a evolução natural dos hábitos de consumo.

E, uma vez que a decifração dos tais algoritmos leva, por vezes, algum tempo, é com base nestes últimos pressupostos que preparei este artigo.

 

Estrutura do artigo

Assim, começarei por abordar algumas tendências mais transversais e, de seguida, indicarei algumas especificidades relativas a conteúdos para:

  • Sites;
  • Blogues;
  • E-mail e Newsletter;
  • Vídeo.

 

Tendências gerais

Perdoem-me os mais puristas, mas as tendências de copywriting para 2022 estão cheias de anglicismos.

Seguem-se as que são transversais aos diversos canais de comunicação:

  1. Slow content.

Já tínhamos o Slow Cooking e o Slow Living; chegou a vez do Slow Content! Tal como os 2 primeiros conceitos deixam antever, trata-se de privilegiar a qualidade sobre a quantidade. A ideia é publicar menos conteúdos, mas com mais valor acrescentado, com mais informação relevante para o consumidor. Tal como um cozinheiro, é importante dar tempo ao Copywriter para escolher os seus ingredientes e os métodos de cocção.

 

  1. FOMO (Fear Of Missing Out)

Com a generalização da TV, dos canais por cabo e do sistema pay-per-view, chegou a euforia das séries que, gradualmente, se alastrou ao Marketing de Conteúdo. Assim, uma das tendências de Copywriting vai no sentido de criar séries de conteúdos, rubricas que fidelizem e quase obrigam o seguidor a ficar atento às “publicações dos próximos capítulos”. Esta técnica funciona particularmente bem nas redes sociais, mas tem igual sucesso no videomarketing e no podcasting.

 

  1. Newsjacking

É o aproveitamento, em prol da sua marca, de um tema do momento (de atualidade e/ou mediático). São exemplos desta técnica as publicações sobre festividades (Natal, ano novo, Reis, etc.), os dias internacionais ou sobre questões que preocupam a humanidade (a pandemia, o clima, a escassez de recursos, etc.).

 

  1. Employee Advocacy

Trata-se de “transformar” os colaboradores da empresa em embaixadores e defensores da marca, dando-lhes voz. Aqui, funciona muito bem o formato entrevista ou testemunho, sempre em tom conversacional e espontâneo. Esta tendência vem na esteira de outra, já consolidada e sempre em voga, o User Generated Content, no qual a bola é passada ao cliente.

 

  1. Masterclass

Os conteúdos de cariz pedagógico estão de regresso (será que alguma vez saíram de cena?), com o intuito claro de trabalhar a autoridade da marca. O objetivo para 2022 é fazer da nossa marca ou de alguém dentro da nossa empresa um/a MESTRE na matéria.

 

  1. Copywriting multilinguístico

Não havendo fronteiras no mercado digital, a única limitação pode, de facto, ser meramente linguística. Há que posicionar a nossa marca em outros mercados, mas, para tal, a sua mensagem tem de ser veiculada de forma apropriada à língua e à cultura de chegada. Aqui, pode ser determinante recorrer a um serviço de Tradução e Copywriting especializado.

 

Sites

 

  1. Foco na qualidade dos conteúdos

As pessoas não gostam de passar muito tempo num site, a menos que aí encontrem conteúdos, de facto, relevantes. Em 2022, a palavra de ordem é MELHORAR os conteúdos do seu site, privilegiando a qualidade sobre a quantidade. Não se esqueça de incluir as famosas palavras-chave. Bem sei que há ferramentas automáticas para fazer essa pesquisa, mas continuo a preferir o método humanizado de pensar nas palavras ou expressões que usaria para procurar e encontrar o site em questão.

 

Blogues

 

  1. Meta tags

O que ficou dito acima sobre palavras-chave também se aplica aos artigos de blogue. A densidade das mesmas é importante, mas é favor não exagerar nas repetições sob pena de transformarmos o nosso texto numa arrazoado com pouca naturalidade. É sobretudo na meta tag que devemos apostar; sim, aquela pequena descrição do artigo que vem logo abaixo do resultado da pesquisa. Esta deve ser curta, relevante, apelativa e, claro, conter palavras-chave.

 

  1. Tamanho dos artigos

Esta é uma questão recorrente… Quantas palavras deve ter o meu artigo? O algoritmo prefere artigos extensos ou mais curtos? A minha resposta é… depende! Depende, sobretudo, do público-alvo e da sua faixa etária. A minha opinião é: quanto mais jovem for o seu público-alvo, mais curto deve ser o artigo; da mesma forma, quanto mais maduro for o seu público-alvo, mais longo pode ser o artigo.

Como sempre, recomendo que nos textos mais longos os conteúdos sejam mais fragmentados em blocos ou parágrafos mais pequenos, e que, sempre que possível, sejam constituídas listas numeradas ou indentadas com bullets ou afins.

 

E-mail e Newsletter

 

  1. Conteúdo editorial

Sim, o e-mail marketing continua em força e o envio de e-mails e Newsletters não pode ser descurado sob o pretexto de se tratar de um conteúdo curto. Pelo contrário. Aqui, assistimos ao regresso de um certo registo editorial ou jornalístico. E se for possível incluir a técnica do Storytelling, melhor ainda!

 

Vídeo

 

  1. Foco nas legendas

82% dos conteúdos consumidos são em vídeo. É preciso dizer mais sobre a hegemonia do videomarketing? Mas, atenção, nem tudo é som e imagem! É cada vez mais importante cuidar dos guiões (ou, pelo menos, de um fio condutor) e da inserção de legendas. Estas não devem (não deveriam…) ser de geração automática, mas antes humanamente inseridas e cuidadas, tanto linguisticamente falando, como visualmente (gestão do espaço da legenda).

 

  1. Chunking down

Esta mania que o nosso cérebro tem de gostar mais das fatias pequenas do bolo!… Pois é, a tendência chegou ao vídeo com a “nuggetização” de conteúdos mais longos. Toca a cortar lives e webinars e a transformá-los em “episódios” mais pequenos, de consumo mais rápido. Esta tendência também serve, na perfeição a tendência do FOMO (cf. tendência 2).

 

12 Tendências de Copywriting para 2022: conclusões

 

Algumas dessas tendências são claramente repetentes e outras mais novas ou renovadas. É também possível (para não dizer provável…) que estas tendências venham a ser adaptadas ou mudadas durante a viagem de 2022…

Para resumir, diria maior humanização e mais destaque à qualidade em detrimento da quantidade.

O Marketing de Conteúdo continua a dar cartas e passa, inevitavelmente, por cuidar do seu Copywriting!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

NEWSLETTER ABC

ABC Traduções | Todos os Direitos Reservados Ⓒ 2019