Quando Tradutor e Autor se confundem


Ensinam-nos nos cursos de Tradução que a missão do Tradutor é passar desapercebido. Sobretudo na Tradução Literária.
Embora alguns assumam que a Tradução Literária é uma empreitada de recriação, é comummente aceite que uma tradução será tanto melhor quanto menores forem os vestígios do Tradutor encontrados. Os tradutores-leitores são exímios em encontrar esses vestígios, preferindo muitas vezes ler a obra na língua original. Mas não é desses leitores a que me estava a referir…
Do ponto de vista do Tradutor, é então um sinal positivo quando este passa por invisível.
E do ponto de vista do Autor?
Partilho convosco uma experiência caricata que tive recentemente. Depois de ter lido um best-seller premiado de 700 páginas, li uma série de críticas a este relativas na Internet. Embora tenha lido a obra na língua original, acabei por ler também resenhas de críticos portugueses. Qual não é o meu espanto quando numa das críticas – por sinal, de um conceituado blogger – me deparo com várias referências às opções terminológicas e idiomáticas!
Interpelada por uma sensação de “eu não li nada disto”, apressei-me a comparar com o original e depressa concluí que a tradução portuguesa é duvidosa ou apressada…
Suspeito que o Autor não ficaria muito satisfeito com essa crítica, tanto mais que, na verdade, os pontos negros são da autoria do Tradutor e não do Autor.
Passar desapercebido, está bem, mas – sobretudo no que se refere à crítica literária – convém distinguir o trabalho de Tradutor e Autor, não?
Ana Bela Cabral

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

NEWSLETTER ABC

ABC Traduções | Todos os Direitos Reservados Ⓒ 2019